-

música: playlist das taurinas


Dá pra acreditar que vamos completar um ano com as Playlists do Zodíaco? Estamos quase no fim dessa série, mas não podemos partir antes de falar um pouquinho das taurinas.
Não sei qual fenômeno ocorreu nos cosmos, mas o destino me brindou com muitas amigas que são regidas por esse signo de Terra e eu não poderia ser mais grata.
Minhas amizades mais leais, duradouras e verdadeiras são com as nativas desse signo e isso não é de se estranhar, já que elas são muito pacientes, justas, determinadas e tem um ótimo coração.

Outro fato bem peculiar é que muitas das celebridades que eu admiro também são de Touro! Da lista a seguir, duvido você não encontrar ao menos uma celeb que ame de paixão:

Robert Pattinson, Adele, Dianna Agron, The Rock, Gigi Hadid e Henry Cavill

Encontrei essa descrição que sintetiza bem o ser de Touro. Veja se vê você concorda:

"Muito determinado, persistente, assim são os taurinos, gostam das coisas estáveis e de muita comodidade para poder refletir sobre as questões da vida e daqueles que o envolvem. Por ter uma característica possessiva muitas vezes não dá o braço a torcer e podem sofrer muito por isso. Se você quiser viver em paz com um taurino proporcione estabilidade e fartura na mesa, isso os deixa muito feliz."
Fonte

Tentei criar uma lista de músicas para resumir tudo o que Touro representa. Espero de coração que vocês curtam bastante:


E aí, o que vocês acharam? Conhecem alguém do signo de Touro? Me contem tudo nos comentários!

Arte: Mia Desu
Mia Fernandes

o que é fanfic?


Segundo o dicionário Inglês-Português Michaelis, a tradução para fan é:
  ❤ Fã, Admirador, Entusiasta, Aficionado.
Ainda com a ajuda do dicionário, temos os diversos significados para definir a palavra fiction:
  Ficção, Literatura de Ficção, Novela, Romance, Alegoria, Lenda, Fábula, Mito, Apólogo e Imaginação.

A partir da junção dessas duas palavras provenientes da língua inglesa, criou-se um novo termo comumente utilizado no curioso dialeto dos fãs.
As fanfictions vêm ganhando grande força e muitos simpatizantes dentro dos fandoms (abreviação para fan domain – domínio de fãs) nos quais está presente (considerando o fato que hoje em dia é possível até encontrar fanfictions sobre Teletubbies, temos que levar em conta que elas estão presentes em 90% dos fandoms da atualidade). Portanto, no momento em que você vira fã de algo, será inevitável não esbarrar em alguma fanfiction por aí.

Talvez, para os veteranos a palavra fanfiction já tenha sido completamente desmistificada e tenha se tornado uma parte do vocabulário. Porém, ainda existem os marinheiros de primeira viagem que estão prontos para embarcar num mundo desconhecido e que precisa ser decifrado.
Para os homens ao mar e todos aqueles que desejam se aprofundar melhor na história, criação, entre outros códigos sem nenhum referência prévia, esse post foi criado especialmente pra você!

Em suma, uma fanfiction consiste numa história, sem fins lucrativos, baseada numa obra já existente. Escrever uma fanfiction de Harry Potter, seria nada mais que escrever uma história sobre o mundo criado por J.K Rowling, usando todos os seus elementos, porém, com suas próprias idéias de enredo.
Você poderia, por exemplo, não estar tão satisfeito com a história do sexto livro (O Enigma do Príncipe) e escrever sua própria versão dos fatos.
As possibilidades são praticamente inúmeras: escrever no ponto de vista de outro personagem, uma continuação para a série atual, finais alternativos, etc…

A fanfiction, não é nada além de um hobby muito saudável, pois exercita a sua mente e imaginação. Também é uma ótima oportunidade para melhorar seus dons de escrita e exercitar a gramática.
Teoricamente, todos podem escrevê-las sem nenhum pré-requisito básico, por outro lado, existem pequenos passos que você deve seguir para se tornar um ficwriter (escritor de fanfictions):

a) Ter um conhecimento básico da obra original é necessário.
Se você pretende escrever sobre O Senhor dos Anéis (por exemplo), deve saber pelo menos o básico sobre a série para não errar feio em algum detalhe que pode até nem ser tão importante, mas não passará desapercebido por seus leitores.
b) Um pouco de criatividade.
Pode parecer brincadeira, mas criatividade é artigo raro e em falta no mercado de fanfictions atual. Muitas histórias se assemelham e isso torna a leitura muito maçante. Procure sempre inovar em seus temas, diálogos e enredos. Isso agrada todo mundo.
c) Um conhecimento das regras gerais de Gramática e de Ortografia.
Ninguém irá lhe crucificar por alguns erros de gramática, ortografia ou concordância, porém, tente sempre atentar para as regras essenciais, para tornar seu texto mais limpo e agradável.
Ninguém está lhe pedindo para ser um expert em Português. Você só precisa revisar seu texto algumas vezes e é extremamente aconselhável enviar seus capítulos para um beta reader antes da publicação.




Ao contrário do que muitos acreditam, o primeiro sinal de fanfictions apareceu ainda no século 19, quando fãs da obra de Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas, escreviam suas próprias versões da história.
Ainda no mesmo século, fãs de Sherlock Holmes também já arriscavam a escrever suas histórias centradas no personagem de Arthur Conan Doyle. Porém, os méritos pelo fenômeno que são as fanfictions são do fandom de Star Trek e um certo fanzine publicado na década de 60.

Fanzine é uma abreviação para fanatic magazine e trata-se de uma revista criada, editada e publicada por fãs de certo assunto. Em um fanzine você pode encontrar fanfics, fanarts, poesia e informações em geral sobre o assunto abordado.

O fanzine ficou conhecido como Spocknalia (uma referência ao Spock, personagem da série) e foi publicada no ano de 1967. O Spocknalia foi o primeiro fanzine a abordar o até então desconhecido mundo das fanfictions e responsável pelo pontapé inicial que acabou culminando em um novo hobby para os fãs ao redor do mundo.
Porém, poucos tiveram (ou têm!) o privilégio de ter acesso a um fanzine com fanfictions e é fato que sua popularização é mérito da internet!

Nos os anos 90, com o boom da internet, também surgiram muitos Arquivos, facilitando assim a leitura, acesso e arquivamento das fanfictions. No ano de 1998, surgiu o que seria reconhecido como o maior arquivo de fanfictions no mundo o FanFiction.Net.
Atualmente, o site é o lar de milhares de fanfictions, em diversos idiomas (o idioma principal do site é o inglês, mas dependendo do tema, você poderá encontrar histórias em português e até japonês) e é incrivelmente popular entre aqueles que gostam do assunto.



Em seu início, o FanFiction.Net aceitava todos os gêneros, porém, através dos anos se tornaram mais restritos com o material publicado no site. O NC-17 (histórias com sexo explícito), fanfictions com pessoas reais (ou seja envolvessem atores, bandas, autores…qualquer um que respirasse – ou não!) e as populares songfictions (fanfics que usam letras de músicas em seu conteúdo) foram banidos definitivamente do Arquivo.

Essas pequenas restrições foram o suficiente para o surgimento de alguns arquivos mais flexíveis e também, arquivos com o propósito apenas de publicar esse tipo particular de fanfiction.

Para facilitar sua jornada, deixo aqui alguns links dos meus sites/arquivos favoritos para que você possa explorar e se aventurar neste mundo fascinante: Archive of Our Own // Nyah!FanFiction // Fanfiction.net // Wattpad

Por fim, eu quero saber: você gosta de fanfiction? Quer ler mais sobre o assunto aqui no blog? Me conte tudo nos comentários!

Foto: Capa deluxe do livro Fangirl da Rainbow Rowell.
Mia Fernandes

a síndrome do impostor


Meu Deus, o que eu tô fazendo aqui?

Eu descobri que sofria da "Síndrome do Impostor" quando precisei me apresentar para o um novo chefe. Imediatamente, me senti insegura e nem um pouco confortável com essa dinâmica.
Após meia hora excruciante em que eu apresentei minhas qualificações, formações e portfólio, corri para uma amiga próxima e desabafei:

- Eu me senti tão idiota listando minhas qualificações.
- Por quê?
- Acho que ele vai pensar que eu estou inventado ou vai me achar muito arrogante.
- Mas você tem essas qualificações, ué.
- Eu sei, mas mesmo assim não parece que eu as mereço.

Se eu estudei (muito) e sempre coloquei meu conhecimento em primeiro lugar, por qual motivo estava tão desconfortável em me orgulhar disso? A resposta é simples: eu me sentia uma fraude. Era como se todos os meus colegas merecessem estar onde eu estava, como se meus superiores vivessem na espreita, aguardando o meu primeiro deslize só para apontar e dizer: "Eu te disse que ela não era tão boa assim".

Eu nem ao menos sabia, mas sofria de um mal que atinge muitas mulheres high-achieving: a Síndrome do Impostor.

Os sintomas mais comuns desta síndrome, podem incluir:

✓ Dificuldade em aceitar elogios por um trabalho bem feito.
✓ Discursos autodepreciativos;
✓ Um alto nível de stress no ambiente de trabalho;
✓ Medo de se candidatar para vagas ou promoções;
✓ Fuga de situações que a coloquem no centro das atenções;
 Vive acreditando que será descoberto como uma fraude.
 Apela constantemente para a autosabotagem em todos os seus projetos.

Se você se enxergou muito claramente nos sintomas listados acima, talvez você também esteja sofrendo da tal Síndrome do Impostor
Entretanto, a boa notícia é que você não está sozinha nesse barco. São muitas as pessoas bem sucedidas e que a gente admira muito que também carregam esse padrão de pensamento debilitante.
Eu demorei muito para aceitar a possibilidade que meu problema não estava no meu talento ou competência. Foi muito complicado assumir em voz alta que talvez, o problema seja a maneira como eu me enxergo. Eu não sou uma fraude, mas me coloco constantemente no lugar de uma.

Já posso até te ver pensando: muito bem, mas como é que eu paro de pensar que eu sou uma fraude?
Eu adoraria afirmar que essa é uma tarefa simples e que pode ser realizada do dia para noite, todavia, isso vai exigir bastante esforço da sua parte e um ótimo "suporte" para ajudá-la a superar tudo isso.

Separei algumas dicas do que eu faço para reprogramar a minha mente quando ela começa a se perder na ladainha do: eu sou uma fraude que nem merece estar aqui. Não sou nenhuma profissional (e ajuda de um terapeuta é sempre ótima), mas espero que essas artimanhas te ajudem:

Já ouviu falar que a comparação é a mãe da insatisfação? Bem, provavelmente não, já que eu acabei de inventar esse ditado e espero que ele pegue, mas de toda forma, é a mais pura verdade. Tente pensar que as outras pessoas sempre estão em um momento diferente na jornada. 
Bem provável que você desconheça todas as partes chatas da história daquela pessoa e esteja muito focado nas (aparentemente) infinitas qualidades dela.
Pare de se comparar tanto e tente fazer o seu trabalho da maneira mais extraordinária, maravilhosa e supimpa que você conseguir! 

Um mentor é alguém mais experiente (pode ser um colega de trabalho, um professor de faculdade ou um amigo) que pode te dar conselhos e feedback honesto sobre os seus projetos. Tente cultivar essa relação na base da honestidade: explique para ele seus medos e anseios, peça críticas construtivas e tente escutá-lo com o seu bom senso (ou seja, nada de ficar achando que tudo que ele falar é um ataque ao seu trabalho ou capacidade).

Ao menos que você seja a pessoa mais sortuda do planeta (e se for, me liga, vamos andar juntas, jogar na loteria e etc...), é bem provável que você está onde está hoje pelo seu mérito. Alguém viu algo de especial e resolveu investir em todo o seu potencial.
Se você se pegar duvidando novamente do que pode conquistar, faça uma lista com tudo o que já conquistou nessa vida. Anote cada pequena vitória. Quando o diabinho da fraude vier te visitar, tire essa lista do bolso e se lembre do quão talentosa e incrível você pode ser.
Acredite nesse potencial todo!

Perfeição é um conceito abstrato. Já parou pra pensar que o seu "perfeito" pode ser o mal feito de alguém? Do mesmo jeito que o seu mal feito também será perfeito para alguém. Quando nos escondemos atrás do "ainda não está bom o suficiente", perdemos valiosas oportunidades, deixamos de terminar projetos importantes e postergarmos uma suposta "falha" que muito provavelmente não ocorrerá.
Tente se lembrar que o feito é melhor do que o perfeito. Coloque a mão na massa e publique aquele artigo, pinte aquele quadro, escreva aquele livro, termine aquela coreografia e etc...

Pare de se esconder debaixo de uma moita segura e encare os novos desafios. Se você estiver sentindo medo, vá mesmo assim e dê o melhor de si.
Você nunca descobrirá tudo o que pode fazer se você nem ao menos tentar.  Já ouviu falar em "fake 'til u make it" (esse ditado eu não inventei)? Se não está se sentindo 100% capacitada para uma tarefa, a encare mesmo assim, finja que está entendendo tudo e se esforce para que aquilo se torne a realidade. 

Você (ou algum conhecido) sofre da Síndrome do Impostor? Compartilhe suas inseguranças comigo nos comentários abaixo!

Foto: Reddit
Mia Fernandes